domingo, 13 de Julho de 2014

Novo contacto da AIT-SP em Coimbra

Novo contacto de membros da AIT-SP em Coimbra com vista à formação de um núcleo local:

aitcoimbra@gmail.com

sexta-feira, 23 de Maio de 2014

Solidariedade com a luta na Cerâmica Neuquén na Argentina

Há mais de um mês iniciou-se um conflito na Cerâmica Neuquén situada no parque industrial desta cidade e 140 famílias estão a suportar a greve na fábrica. Devem duas quinzenas de salários aos trabalhadores e querem deixá-los na rua fechando a empresa. Na última reunião o dono deu-lhes como única solução para o conflito fechar a fábrica e pagar os salários em dívida com a última produção realizada antes do cessar de atividades. A fábrica está parada, os trabalhadores sem sustento económico e nenhuma das respostas dadas pelo dono garante a estabilidade laboral dos trabalhadores.

As irregularidades começaram quando não lhes pagaram as férias e ficaram em dívida duas quinzenas de ordenados. Quiseram dar aos trabalhadores umas férias fora da data habitual e quando estes se informaram do porquê desta irregularidade, descobriram que realmente se tratava de uma suspensão e foi quando o dono exprimiu a sua intenção de fechar.
José Luis Villafranca, atual dono da Cerâmica Neuquén, que recebeu subsídios milionários do Estado provincial, não quer saber da situação, deixando grandes dívidas e dilatando o conflito no tempo.

Os trabalhadores da Cerâmica Neuquén querem voltar a trabalhar e necessitam do apoio da comunidade, seja na forma de alimentos, contribuições para o fundo de greve ou difusão pública do conflito, para seguir resistindo e procurando uma solução real e efectiva para as 140 famílias que ficaram sem trabalho.

Apelamos a que se solidarizarem com os trabalhadores da Cerâmica Neuquén!

CONTRIBUIÇÕES PARA O FUNDO DE GREVE:
CONTA Nº: 0440017240000155465374, CBU: 4_017_000_1554653_7
Em nome de Mauro Jiménez (BANCO HIPOTECÁRIO)

Sociedade de Resistência Ofícios Vários de Neuquén
Aderida à FEDERAÇÃO OPERÁRIA REGIONAL ARGENTINA – AIT
Maio de 2014

terça-feira, 20 de Maio de 2014

Conferência de marketing em Lisboa interrompida em solidariedade com os trabalhadores da Mediapost despedidos


Membros da AIT-SP invadiram hoje o auditório do Estádio de Alvalade em Lisboa e interromperam a conferência “Direct & Digital Marketing”, organizada pela multinacional de publicidade e marketing Mediapost, do grupo La Poste.

Esta acção teve por finalidade protestar contra o despedimento de 14 trabalhadores em Barakaldo (País Basco), entre os quais vários delegados sindicais da Confederação Nacional do Trabalho, numa clara tentativa de reprimir quem tem contestado as acções da empresa, que tenta obrigar os trabalhadores a aceitar reduções salariais ou de horário, sob ameaça de despedimento.

Foram gritadas palavras de solidariedade com os trabalhadores despedidos e foi exibida uma faixa com a frase “Mediapost explora, persegue, despede”. Na sala estavam presentes vários figurões do marketing nacional e internacional e o director geral da Mediapost em Portugal.

segunda-feira, 19 de Maio de 2014

Solidariedade contra os despedimentos na Mediapost!


A empresa de marketing e publicidade Mediapost, que factura anualmente 600 milhões de euros, tem vindo a despedir vários trabalhadores em Barakaldo (País Basco, Espanha).  

Já foram despedidas 14 pessoas, entre as quais vários delegados sindicais da Confederação Nacional do Trabalho, numa clara tentativa de reprimir quem tem contestado as acções da empresa, que quer aumentar os lucros à custa dos trabalhadores, tentando obrigá-los a aceitar reduções salariais ou de horário, com a ameaça de despedimento.  

Porque a solidariedade entre os explorados não conhece fronteiras foi convocada uma semana de acções internacionais para denunciar a actuação desta empresa.  

Readmissão imediata dos trabalhadores despedidos na Mediapost!   

Contra a exploração laboral, organiza-te e luta!

segunda-feira, 5 de Maio de 2014

Porto 2014 : 1º Maio e Trilha da Memória Libertária do Porto (1886 -1979)


15.30 h : Bancas libertárias 
e canções operárias na Praça General Humberto Delgado em frente à Câmara Municipal do Porto


 








10.30 h  : Trilha da Memória  Libertária e do Movimento Operário do Porto ( 1886 - 1979 )

O Porto é conhecido geralmente por grandes tradições liberais mas as suas tradições libertárias -anarquistas, anti hierárquicas - forjadas nos meios operários e populares  no ambiente social de entre os anos 80 do século XIX e os anos 20 e 30 do século XX - prolongando-se inclusive na resistência ao facismo salazarista - estão injustamente esquecidas pelas novas gerações...quem sabe por exemplo que sabe por exemplo que entre 1886 e 1933 (ano da fascização  e proibição pelo Estado Novo de organizações independentes ) existiram 142 grupos anarquistas no distrito do Porto.

Ponto de encontro na cadeia da Relação do Porto


Cadeia da Relação do Porto

Aqui, durante a monarquia como durante a república  (depois de 1910), estiveram centenas de presos , a maioria presos sociais comuns , mas também activistas libertários sobretudo depois das grandes greves  e protestos operários de 1903 , 1912 e 1918 . Também nos anos 50 e 60  por aqui passaram presos antifacistas 

sexta-feira, 2 de Maio de 2014

Relato do 1º de Maio em Lisboa


Em Lisboa, cerca de 30 pessoas juntaram-se à concentração “Por um 1º de Maio combativo, contra a 'festa' da miséria” convocada pelo Núcleo de Lisboa da AIT-SP. A concentração permaneceu cerca de uma hora na Praça D. Pedro IV (Rossio), tendo depois arrancado em manifestação, ocupando a rua e cortando o trânsito. Esta manifestação não foi comunicada às autoridades.

A manifestação rumou em direcção ao Pingo Doce da Rua 1º de Dezembro. Aqui tentou-se bloquear a entrada da loja em protesto contra o facto de esta cadeia de supermercados obrigar os seus funcionários a trabalharem no dia 1º de Maio, lançando ainda campanhas de promoções com o objectivo claro de depreciar este dia de luta dos trabalhadores.
A segurança do supermercado rapidamente encerrou as portas do estabelecimento e chamou a polícia. A continuação do bloqueio das entradas da loja foi impedida pela polícia que afastou os manifestantes com ligeiros empurrões. Foram gritadas frases como “Não negociamos a nossa escravidão, a vida é nossa não é do patrão” ou “Anti-capitalistas”.

A manifestação voltou depois ao Rossio, onde se deu a invasão de uma loja da cadeia McDonald’s, com distribuição de comunicados aos trabalhadores, o chão inundado de panfletos que eram atirados para o ar, e gritos de “Não te rebaixes ao patrão” ou “Trabalhadores unidos jamais serão vencidos”.

De seguida, a manifestação dirigiu-se ao Martim Moniz, continuando-se a gritar palavras de ordem como “Ninguém é ilegal” e “Nazis, fascistas, chegou a vossa hora; os imigrantes ficam e vocês vão embora”. Aqui deu-se por terminado o percurso.

terça-feira, 29 de Abril de 2014

1º de Maio - Concentração no Rossio


1 de Maio - 15.30 - Concentração no Rossio - Lisboa

Primeiro de Maio: Dia Internacional dos Trabalhadores


Este é o dia em que se comemoram as lutas de todos os trabalhadores de todo o mundo. No entanto, que temos nós para comemorar? O aumento do desemprego? A facilidade dos despedimentos? O trabalho precário? As medidas de "austeridade"?

As confederações sindicais, organizadas segundo um sindicalismo burocrático, revelam ser incapazes de conduzir com sucesso a luta dos trabalhadores contra a classe capitalista que lucra com a nossa miséria.

São necessárias novamente as formas de luta que no passado conquistaram as 8 horas de trabalho, como a acção directa, o boicote, a greve, e a sabotagem. É necessário o sindicalismo revolucionário, organizado pelos trabalhadores de forma assembleária, que não se rende à vontade dos patrões, e que não pára até atingir o seu objectivo final: a emancipação dos trabalhadores.

Contra a "festa" da miséria! É preciso sair à rua, construir alternativas, recuperar as nossas vidas!

Juntem-se a nós. Com os vossos textos, imagens, música, ideias...

https://www.facebook.com/events/626616697423522/

quinta-feira, 24 de Abril de 2014

O 25 de Abril e a intervenção militar

Não se celebra, no 25 de Abril, uma revolução, mas um golpe de estado realizado por uma camada das forças armadas, descontente com a situação que se vivia na altura, incluindo a Guerra Colonial, e procurando apenas o benefício próprio e não o da população explorada.

Só assim se pode compreender como os militares, profissionais da matança e leais protectores do aparelho de estado e grande capital na sua feroz luta de classes contra os trabalhadores, se tenham virado, temporariamente, contra o próprio sistema que os alimenta e ao qual devem protecção.

Actualmente, é preciso reavivar o verdadeiro Abril: o que não ficou em casa e recusou as ordens dos militares, o da ocupação de terras sem controlo partidário, o das cooperativas e assembleias populares espontâneas. Nenhum governo é capaz de resolver os problemas de quem trabalha e vive agrilhoado pelo capital. Este sistema moribundo, mantido apenas pela força e violência, serve os interesses de quem o comanda e não os do povo. Está apenas interessado em agarrar-se ao poder e em explorar a classe trabalhadora, para que os ricos continuem a enriquecer.

Deixemos de esperar esmolas deixadas cair pela elite descontente do momento e passemos nós próprios a lutar pelas causas que nos dizem respeito, livres da manipulação de partidos políticos, sindicatos e do estado. Somente unidos e auto-organizados poderemos estilhaçar os grilhões da exploração.

A emancipação dos trabalhadores deverá ser obra deles próprios!

Associação Internacional dos Trabalhadores - Secção Portuguesa
Núcleo de Lisboa

24/04/2014

quarta-feira, 23 de Abril de 2014

TRIUNFO DOS EXCRAVOS | dia 24 de Abril de Almada ao Carmo


20.00 – Praça do MFA – Almada
20.30 – Terminal de transportes – Cacilhas
21.00 – Cais do Sodré – Lisboa


Não saímos à rua para comemorar um golpe militar. Saímos à rua porque partilhamos do sentimento de insubmissão dos que desobedeceram às ordens dos militares para ficarem em casa, ocupando a rua e transformando o que se pretendia como uma transição pacífica numa grande festa de “excessos” revolucionários.

Houve sem dúvida muitas coisas admiráveis no período que se seguiu ao 25 de Abril de 1974. Os escravos perderam o respeito pelos senhores e tomaram a vida nas suas mãos. Quem não tinha casa ocupou-a, quem não tinha terra tomou-a. As relações de autoridade ruíram como se ainda no dia anterior não estivessem de pedra e cal. Mas ainda mais admirável teria sido se essa vontade de cada um ser dono do seu destino tivesse perdurado, se não precisasse da protecção dos militares para continuar.

segunda-feira, 7 de Abril de 2014

Nova concentração em Lisboa: Queremos transportes públicos para todos!

11 de Abril (sexta) - 18h
Cais do Sodré, terminal de transportes


Nova concentração em Lisboa!
Apareçam! Tragam textos, imagens, música, ideias...

Porque ficámos com vontade de multiplicar este tipo de protestos a favor de transportes verdadeiramente públicos, para todos.

Porque todos devem ter direito à cidade e à mobilidade, usando os transportes públicos, sem serem multados, perseguidos pelos fiscais e polícia e agora ainda ridicularizados com campanhas destas, a fazer lembrar a PIDE de outros tempos...

Porque exigimos melhores transportes públicos e gratuitos!

sexta-feira, 4 de Abril de 2014

Protesto na Embaixada da Argentina em Lisboa pela liberdade dos detidos de Las Heras


Comunicado distribuído na concentração:

Solidariedade com trabalhadores presos na Argentina

Na sequência de uma greve de trabalhadores petrolíferos de 20 dias no ano de 2006, em Las Heras, o poder judicial ordenou a detenção de vários trabalhadores. Estes reagiram manifestando-se junto ao município e foram reprimidos violentamente. Em circunstâncias confusas, acabou por morrer um oficial da polícia.

Seguiu-se uma repressão feroz aos trabalhadores e à população; o povoado de Las Heras foi militarizado, instaurou-se o toque de recolher obrigatório e várias pessoas foram perseguidas, presas e torturadas.

Apesar da única coisa provada no julgamento em Dezembro de 2013 ter sido a tortura sofrida pelos trabalhadores às mãos da polícia, foram condenados quatro trabalhadores a prisão perpétua e outros seis a cinco anos de prisão, por suposta coação agravada, lesões e assassinato de um polícia.

Criminalizar as lutas dos trabalhadores é comum na Argentina e em todo o lugar onde as pessoas se organizam para lutar por uma vida melhor, livre do pesado jugo da exploração, mas nós acreditamos que a solidariedade entre explorados e oprimidos será sempre mais forte do que toda a repressão!

Tomemos a causa destes trabalhadores como nossa, pois o que é passível de acontecer a um, é passível de acontecer a todos.

Absolvição imediata dos trabalhadores de Las Heras!

AIT-SP/Núcleo de Lisboa

03/04/2014

 

terça-feira, 1 de Abril de 2014

3 de Abril em Lisboa: Solidariedade com os trabalhadores petrolíferos presos na Argentina!


Concentração na Embaixada da Argentina em Lisboa

Dia 3 de Abril (quinta-feira) às 18:00
   
Av. João Crisóstomo, 8, Lisboa


Na sequência de uma greve dos trabalhadores petrolíferos de 20 dias no ano de 2006, em Las Heras, o poder judicial ordenou a detenção de vários trabalhadores. Estes reagiram manifestando-se junto ao município e foram reprimidos violentamente. Em circunstâncias confusas acabou por morrer um oficial da polícia.

Seguiu-se uma repressão feroz aos trabalhadores e à população, o povoado de Las Heras foi militarizado, instaurou-se o toque de recolher e várias pessoas foram perseguidas, presas e torturadas.

Apesar da única coisa provada no julgamento em Dezembro de 2013 terem sido as torturas sofridas pelos trabalhadores nas mãos da polícia, foram condenados quatro trabalhadores a prisão perpétua e outros seis a cinco anos de prisão, por suposta coacção agravada, lesões e assassinato de um polícia.

Criminalizar as lutas dos trabalhadores é comum na Argentina e em todo o local onde as pessoas se organizam para lutar por uma vida melhor. Mas acreditamos que a solidariedade entre explorados e oprimidos será sempre mais forte do que toda a repressão!

Absolvição imediata dos trabalhadores de Las Heras!

Mais informação no blog da F.O.R.A., a secção da AIT na Argentina: http://fora-ait.com.ar/blog/